Elegia ao Novo Mundo (Narlan Matos)

Tu me perguntas meu amigo Onde eu estive durante meu longo silêncio Estive na açucena das canas e na amargura dos canaviais onde as folhas tremiam de medo dos homens Os canaviais me sussuraram em gritos horrendos o sangue amargo que lhe adocicou a boca As mãos ásperas que lhe enxugaram a face O canavial…