Bom, pra mim chega. Não fui talhada pra isso. Na adolescêncida, dava um trabalhão ser depressiva. Rendia maus hábitos e poemas péssimos. Então, vamos logo com isso. Faça o primeiro movimento que vem o resto. Deixe de manha, arribe do canto. Nem tem espaço pra essa conversa. Sei disso e sei daquilo. Mas que importa?…

Felicidade clandestina

Finalmente concluí a leitura da biografia de Caio Fernando Abreu. Uma biografia diferente, narrada a partir da perspectiva da jornalista Paula Dip, amiga pessoal do escritor. O livro é longo, mas não cansativo, especialmente para quem gosta do cara. Tenho uma edição de Morangos Mofados de 1984, com capa e desenhos de Alex Vallauri. E…

As pessoas iam sumindo lentamente. E reapareciam, de repente, com branco nos cabelos. Menos ele, que usava um produto importado. Parecia ter a mesma idade de quando fomos buscar o exame. Será que sim, será que não? Fazia suas coisas às escondidas. Me diga, mano, que é isso?, perguntava distraída, como se não quisesse explicação….

Em qual se enquadra o Madame?

Gerana Damulakis parou com o Leitora Crítica. Há motivos, não duvido. Já tive impulsos de acabar com o Madame inúmeras vezes. Montar outra estrutura, como fez Mayrant Gallo com o Não Leia! Algo bem organizado, menos confuso, uma revista literária séria como a Verbo 21 de Lima Trindade. Pensei até em criar um sebo virtual,…

Anísio

Mal concluí a leitura de “Um Rio Chamado Tempo, uma Casa Chamada Terra”, de Mia Couto, engatei o raríssimo exemplar de “Espelho das horas”, de Carlos Anísio Melhor, empréstimo precioso de Adelmo Oliveira. Anísio é um dos meus poetas prediletos. Dele, tenho “Canto Agônico”. Meu exemplar poderia estar autografrado, mas por timidez nunca o levei…

Balada

Sim, talvez seja uma balada para Janis. Em novembro. No meio do redemoinho em que tudo se transformou. “O vento veio, passou por mim, senti na pele”. Tanta tensão que preciso ficar atenta. Guardo as palavras com calma dentro de uma sacola imaginária. Aguardo. A dama observa. Aguardo. Com a calma de quem já teve…

Elvis

Ontem, me deu saudade de Elvis Presley. Do nada. Danada. Fui pro youtube atrás de um vídeo. Queria ver/ouvir, sei lá, “Suspicious Mind” ou “In the Gheto”, mas ficaria consolada se achasse “Love me tender”.  É incrível como desprezei Elvis na adolescência, depois de ter amado tanto na infância. Lembro de mim, aos 8 anos, decorando uma…

E nem é primavera

 Sabia que escreveria com mágoa. A pessoa difícil. Recuso os rótulos. Acho graça de arrogância. Vai pensando que é assim. Que se pode classificar inconsequentemente as coisas. E falo de gente, que não é apenas isso ou aquilo. Mas moro na ingenuidade, não na filosofia. Daí esse engano. Tá bom, aceito mais essa mentira. Linda, oca….

Nesse dia

Passei o dia escapando da data. E quase consegui. No sábado, a ida para Maracás. Um frio de 13 graus na cidade. Mais de cem pessoas no auditório municipal. Caravanas de Brejões e do KM 100. Zé Inácio e Edmar junto comigo. Os meninos do Concriz, com olhinhos brilhando e um recital aplaudido de pé….

Esse bichinho verde

Queria falar do edital da Secult, repartir a alegria, a perspectiva de edição, mas não sabia como. É algo que espero desde o ano passado. Quase nem participava, descrente que sou de seleções. No que aumentaram o prazo, corri atrás e fiz a inscrição. Com projeto, cronograma e livro. O livro. Antes de tudo, generosamente…

Vou ser feliz e já volto

Insônia. Mayrant Gallo me deu o que fazer. Pesquisei com cuidado cada um dos itens da lista de perguntas que ele postou em seu blog. Quem acertar todas as respostas ganha um exemplar da “Portal Stalker”, revista de ficção científica, que sai no fim deste mês e traz um conto dele. Tô na torcida por mim….

A caminho do rio

Ouvindo Hard Woman, uma de minhas músicas prediletas. Bem que tentei entrar no twitter a sério hoje, mas aquilo parece um diálogo entre surdos. Saio rapidinho após três frases. Volto às canções. Mudo mais uma vez o visual do blog. Cutuco a angústia com vara curta. Um poema sobre casas não sai do primeiro verso. Passeio por infovias…