outubro 2009


Fiquei uns dias sem tempo pro Madame. Estou tocando um projeto pessoal e focada 100% nele. Mas o fim de semana é de feriadão e terei folga do trabalho. Cedinho, viajo para Mangue Seco e, de lá, vou para Aracaju. Um lugar chamado Ilha de Santa Luzia. Não conheço, nem sei direito onde fica. Há uma ponte que se deve atravessar em Aracaju. Pretendo ler bastante por lá, mas será complicado escapar da praia. Então é procurar uma sombra e vencer as páginas. E haja páginas!

muito44

 

imagem

imagem

No dia 10 de novembro, uma terça-feira, à noite, na Tom do Saber (Rio Vermelho).

Este mundo não
te pertence, Bandini.
O modo rude como afias
a faca nos teclados
da velha máquina.

Sente, Arturo, a voz doce
da garçonete, a
mexicana de alpercatas
sujas. Fumas unos
chinos en Madrid?

Para viver, é sim,
para viver assim,
com nada além
de palavras.

“No hacías otra cosa
que escribir”. E sonhar,
faca amolada, ao som
da velha máquina,

 cravar letras na folha. Olha,
são como estrelas cadentes.
Ouve como gemem, pálidas
de espanto no branco da página.

Poemas na coletânea da editora Global: Roteiros da poesia brasileira anos 2000 (2009)

Roteiro_da_Poesia_Brasileira_-_Anos_2000

Versos na agenda poética da editora Escrituras (2009)

Retratos+Po%C3%A9ticos+2010+-+2

Fica sentida, não. É noite ainda.
Há uma escuridão enorme
na porta. Bate. Ouve? Pede
para entrar em tua casa. Não
abra. Fica quieta enquanto arde,
e esta solidão selvagem fecha
a passagem para fora. Ah, tudo
é breu e brisa na paisagem.
Mas o medo evapora. Sente?
Fica firme. Paciente. Da tua pele,
a aurora já prepara voo breve.

Chegou via e-mail. Abri o pdf e foi um susto. Praticamente pronto. A data prevista para lançamento é 10 de novembro, horário a ser confirmado, na Tom do Saber (Rio Vermelho). Após sete anos, um novo livro, o segundo. Sairá pela P55, de Claudius Portugal, na coleção Cartas Bahianas. Mais detalhes a qualquer momento em edição extraordinária.

Próxima Página »