Tudo é verão, e nada é

Tudo é verão, e nada é
nunca mais. Um dia foi
só em outra encarnação,
se acreditasse. Você
calou, olhando triste.
Tudo é verão, e nada é
a madrugada leva a noite
fria, fogueira, bandeirolas,
e deixa para trás todos
dormindo. Velhas lições,
amar outonos, folhas caídas
amarelando jardins de
inverno, só em sonho,
se acreditasse. Ah, essa
história, a beleza de ser
triste, ler On the road,
beber como se não
existisse um amanhã.
Tudo é verão, e nada é,
esta certeza, fechar a porta,
e entrever, na fosca fresta,
o seu olhar que nada diz,
que apenas olha, olha,
só em poesia, se acreditasse.

Anúncios

7 comentários Adicione o seu

  1. maria sampaio disse:

    poesia, boa poesia você nos oferta.

  2. Cada um superando o anterior e todos, verdadeiros poemas; sem exagero, de mestre!

  3. Celso disse:

    Caraca, gostei demais desse, e acredito.

  4. M. disse:

    Eu sempre me espanto/encanto com a sua capacidade de fazer poesia. Beijos. M.

  5. blag disse:

    Caaramba, Kátia, que leva de textos! Bons demais! Que bom ficar uns dias fora e ler poemas assim. Especialmente esse. Demais!!!

  6. O layout ficou ótimo. A poesia agradece.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s