Pelo caminho dos astros

Honorável São Francisco, leva ao céu todos os bichos que amei em minha infância. Viste por aí Possante, gato cheio de elegância que brincava de esconder? E a cadela pequenina que, atropelada por um carro, me esperou chegar do trabalho, para em meus braços morrer?  Tive um macaco, coitado, enlouqueceu certa tarde, foi expulso lá de casa e vendido em São Joaquim, não sei para que menino. Já está perto de ti? E Gertrudes, São Francisco, a galinha que criei, até que virasse canja ou almoço de alguém. Se a vires ciscando no inferno, faça um cercado perto, leva pra junto de ti. Será fácil reconhecer um dos meus cães mais amados. É marrom e, na língua, falta quase meio naco. Se o vires por aí, vagando, eu lhe peço, meu doce santo, não o deixe na escuridão ou perdido no purgatório. Chama-o, põe nele um laço, e o carrega contigo, honorável São Francisco, pelo caminho dos astros.

Anúncios

3 comentários Adicione o seu

  1. aeronauta disse:

    Ave-Maria, quase chorei! Que coisa iluminada é essa? Meu dia ganhou cor e luz ao ler algo tão perfeito, tão lindo!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s