Presente

Hoje, amor, ofereço a você minha infância (a menina que fui, selvagem e livre, cabelos e sonhos embaraçados, pés descalços, riso fácil) Hoje, amor, ofereço a você minha ternura (a mais íntima e funda).

Em que dialeto, meu Deus?

Não havia outra razão para que ela estivesse ali, esquadrinhando meu rosto em busca de diferenças. Eu, sim, olhava para ela com espanto. Era pequena, morena e estava grávida de um homem que acabara de morrer. Pequena flor, como no conto de Clarice Lispector. E tão perto do meu coração selvagem que tudo em volta…

A ver baleias (versão completa)

Eu agora só faço o que for fácil. Dificuldade é tudo – o que não quero. Que tudo é mais que tudo lero-lero. Enchi o saco, Conselheiro Acácio.   Pois a vida é tão simples, tola, breve. Nada chega senão num piscar d’olhos. Vou levar-me até onde o vento leve. Bem além do Arquipélago de…

A ver baleias (Luís Antonio Cajazeira Ramos)

Eu agora só faço o que for fácil. Dificuldade é tudo – o que não quero. Que tudo é mais que tudo lero-lero. Enchi o saco, Conselheiro Acácio.   Pois a vida é tão simples, tola, breve. Nada chega senão num piscar d’olhos. Vou levar-me até onde o vento leve. Bem além do Arquipélago de…