1º de dezembro

Lembro ensolaradamente aquela tarde,
eu e meu pai, após mais uma ida ao médico.
Ele faria radiografias da mandíbula,
mas estava tranqüilo,
e havia uma paz enorme entre nós.
De tudo, depois de tanta dor,
guardei comigo aquele enlevamento
vespertino, e o modo incrível
como mexeram comigo
uma certa brisa e a sombra imensa
que as árvores projetavam
no asfalto.

Hoje, seis anos sem meu pai.

Anúncios

12 comentários Adicione o seu

  1. Georgio Rios disse:

    Cara Kátia, compactuo desta tua lembrança, um belo poema que homenageia tão ilustre pessoa.O Pai.Teu Pai…E todos so Pais, os que estão aqui e os que se foram…
    Lindo!

  2. Marcus disse:

    As pessoas revivem nas nossas lembranças. Nilson me disse certa vez (não me lembro a fonte, se é idéia de alguém, de uma religião, ou de uma cultura), que você só morre mesmo quando ninguém mais no mundo se lembra de você. O meu se foi também num dezembro, 28. No mesmo dia em que nasceu. E revive agora também na minha lembrança.

  3. martha disse:

    Kátia,
    mais uma linda poesia. Você nos conta de forma linda seu cotidiano….
    um beijo,
    Martha

  4. maria sampaio disse:

    Eles continuam dentro da gente. As datas marcam. Lindo poema.
    —–
    Soube que você telefonou, eu estava dormindo (tava enjoada). Ligue.
    Beijos
    Maria
    Oi, Maria, vou ligar. BJ

  5. Ari Coelho disse:

    Essas lembranças são para sempre.
    Quero mandar um e-mail pra vc, mas o Terra tá voltando. Vc tem outro?
    Bjo!
    Oi, Ari, mande pro katiamacces@gmail.com

  6. Franciel disse:

    Acabei de passar no blog de Nilson e ele tava falando do pai. Tentei não, digamos assim, somatizar. Agora, porém, venho aqui e você relembra do seu – e eu me lembro que o meu também nasceu em dezembro.
    E Martha também enviou uma belíssima carta ao pai dela no blog. Fiquei tão tocada que nem consegui deixar um comentário.

  7. “Mas como dói!”

  8. Paula disse:

    Parece que foi ontem…

  9. belo!

    passou uma serenidade…

    abs

  10. blag disse:

    Momentos assim são eternos. Ele vive pra sempre nesses momentos. Lindo poema.

  11. aeronauta disse:

    Coisa de fazer chorar, esse poema. Diz toda a nossa alma.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s