Ao sol

Foto de Fernando Mucci (olhares.com)
Foto de Fernando Mucci (olhares.com)

 

Sair ao sol,
encarar o dia,
sem medo das sombras
que insistem.

Sim, sair de dentro
e ver a rua e o mundo,
com ruídos, entre dentes,
buzinas, rangidos, vômitos,
sob a luz que escorre
na cidade quente.

No meio fio,
sentar e apreciar a paisagem,
com seu tanto de Guernica, de guerra civil
mascarada por rostos
sorridentes.

Sair ao sol,
enquanto chove
intermitantemente.

Anúncios

3 comentários Adicione o seu

  1. “Sair ao sol,/ enquanto chove/ intermitantemente”. Excelente! Se for do livro, repito que isto só reafirma o quanto gosto de sua poesia.

  2. blag disse:

    Lindo, Kátia. Mais de uma semana sem blogar e sem entrar nos blogs, e é bom reencontrar poesia como essa. Concordo com Gerana: os últimos versos são excelentes!!!

  3. vladimir Queiroz disse:

    Gostei Kátia. Pura manifestação de poesia.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s