Invento a paz: panos brancos nas janelas.
Os burgueses da pensão estranham: canto,
eu que nunca cantei. Atendo no balcão
os mortos, todos procurando achados e perdidos.
E vivo, eu que nunca ousei.

 

Anúncios