Olhos

Aquela alergia simples, detectada pela oftalmologista na semana passada, virou uma infecção bacteriana contagiosa em poucos dias. De licença, em casa, eu me divirto contrariando as ordens médicas. Não dá pra ficar sem ver TV, ler ou acessar a Net.  Anúncios

Merda!

Mariana, na primeira mostra de cenas do curso livre da ufba

Ao sol

  Sair ao sol, encarar o dia, sem medo das sombras que insistem. Sim, sair de dentro e ver a rua e o mundo, com ruídos, entre dentes, buzinas, rangidos, vômitos, sob a luz que escorre na cidade quente. No meio fio, sentar e apreciar a paisagem, com seu tanto de Guernica, de guerra civil…

Mural 2

Detalhe do blog de Ari Coelho De casa nova também está Ari Coelho, do Diário de uma hepatite. Agora, ele atende aos clientes no Filósofo de Itapuã. Vale dar uma espiada, está lindo!

Mural

O blog Contramão de Mayrant mudou de nome e endereço. Agora é Não Leia!. Clique e leia!

Sonho

Sonhei que ia flutuando pelas ruas. E não sentia medo. Como se quisesse ver, saber, onde aquilo podia levar. Seguia pelo ar, sem gravidade. Ninguém estranhava. Depois parou. Dormi pesadamente, acordei feliz. Um passeio esquisito dentro do sono. Uma menina me olhava, vestido colorido, como se esperasse o sinal abrir.

Towanda

Perdi a conta dos poemas que fiz, olhos guardados numa caixinha de música, os atrasos pra anos que nunca viravam novos de fato, sempre pelo avesso, um acidente de carro, uma fuga pra Amazônia, e festa em todo canto, em Arembepe, primeiro de janeiro, na Boa Viagem, melancolicamente elegantes, ao som de Little Crazy, no…

Hoje

Votar é voltar. Ver a Ribeira animada por bandeiras e bandeirolas. Gente simples nas ruas. Na Cidade Baixa, tive notícias de Glória, minha grande amiga, hoje vivendo na Alemanha. Revi Zé Eduardo, irmão da vida toda, e Vera, a mãe dele. E Dona Lurdes, antiga vizinha, daquelas que não se encontra mais, e que agora…

Mãe

“És para mim que nada mais Na boca das manhãs” (Caetano Veloso)

Erguendo as velas

Fui a uma oftalmologista hoje. Como a minha avó paterna e o meu avô materno tiveram glaucoma e ficaram cegos, o ideal é fazer exames anuais. Tenho sido meio relapsa. Mas, nos últimos meses, andava com os olhos ressecados, vermelhos e ardidos. Para completar, os óculos quebraram e não vivo sem eles. Foi um exercício…

Meu amor não me deixa ficar triste, se emburro ou zango, franzo o cenho, vem logo em meu socorro com um riso. Que será de mim, amor, sem este siso? Quase pergunto enquanto me arrasta para a cama, pondo em minha boca a língua, doce como se não fosse frágil este sentimento.