outubro 2008


Aquela alergia simples, detectada pela oftalmologista na semana passada, virou uma infecção bacteriana contagiosa em poucos dias. De licença, em casa, eu me divirto contrariando as ordens médicas. Não dá pra ficar sem ver TV, ler ou acessar a Net. 
Mariana, na primeira mostra de cenas do curso livre da ufba
Mariana, na primeira mostra de cenas do curso livre da ufba
Foto de Fernando Mucci (olhares.com)

Foto de Fernando Mucci (olhares.com)

 

Sair ao sol,
encarar o dia,
sem medo das sombras
que insistem.

Sim, sair de dentro
e ver a rua e o mundo,
com ruídos, entre dentes,
buzinas, rangidos, vômitos,
sob a luz que escorre
na cidade quente.

No meio fio,
sentar e apreciar a paisagem,
com seu tanto de Guernica, de guerra civil
mascarada por rostos
sorridentes.

Sair ao sol,
enquanto chove
intermitantemente.

Detalhe do blog de Ari Coelho
Detalhe do blog de Ari Coelho

De casa nova também está Ari Coelho, do Diário de uma hepatite. Agora, ele atende aos clientes no Filósofo de Itapuã. Vale dar uma espiada, está lindo!

Mayrant Gallo

Mayrant Gallo

O blog Contramão de Mayrant mudou de nome e endereço. Agora é Não Leia!. Clique e leia!

Homem voando | Getty Imagens

Homem voando | Getty Imagens

Sonhei que ia flutuando pelas ruas. E não sentia medo. Como se quisesse ver, saber, onde aquilo podia levar. Seguia pelo ar, sem gravidade. Ninguém estranhava. Depois parou. Dormi pesadamente, acordei feliz. Um passeio esquisito dentro do sono. Uma menina me olhava, vestido colorido, como se esperasse o sinal abrir.

Tomates verdes fritos

Perdi a conta dos poemas
que fiz, olhos guardados
numa caixinha de música,
os atrasos pra anos que
nunca viravam novos de fato,
sempre pelo avesso,
um acidente de carro,
uma fuga pra Amazônia,
e festa em todo canto,
em Arembepe, primeiro
de janeiro, na Boa Viagem,
melancolicamente elegantes,
ao som de Little Crazy,
no meio da folia, fazendo
cinema (você, Castro Alves).
Perdi a conta dos poemas
que fiz, letras, pequenos
roteiros para longas,
rascunhos de contos,
fragmentos dramáticos,
sinopses de novela, tanto texto,
meu Deus, tanto texto.
Só pra chegar hoje,
sem achar palavras,
e chorar ao telefone.
Temos um novo projeto juntos.
Sim, amigo, e, dessa vez,
será um curta-metragem.

Próxima Página »