Escrever versos livres é fácil.
É só usar as mesmas palavras
do cotidiano. Jogue duas para o alto
e, quando caírem, abra as mãos
[aí estão, amigo, e são luxuosamente outras].

Ah, é quase como lavar pratos [lave uns pratos!]
e, lavando pratos, chegar a um outro lugar
iluminado, tão claramente que, ao enxugá-los, tem-se
a exata impressão de entender o mundo
inteiro, e tudo, completamente.

Anúncios