Timidez

Queria falar sobre amor,
mas mantinha os olhos baixos,
no desassossego de ver aquela boca
sem beijo e comentar sobre a chuva
que insistia em cair no estio
e o caos no trânsito: “sempre lento”.

Da noite longa, estendido corpo
no chão da sala, tocar a mão
de leve, a palma, roçar os dedos.

Não diria nada (sabe-se lá o certo).
E, se perguntassem, responderia
que o acaso rege o destino,
e que é a gravidade, e não o amor,
que move os astros no universo.

Anúncios

3 comentários Adicione o seu

  1. Paula disse:

    Estou me apropriando neste exato momento deste poema. Ele é meu e pronto! Comprei pra mim 🙂

    Coisa mais linda, tão seu, tão de todo mundo…

  2. Érica disse:

    Muito lindo! Tô com saudade… Bjs

  3. blag disse:

    Beleza, Kátia. E pureza, delicadeza, precisão. Massa. Bj.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s