A minha avó era cega.
Dela, herdei a capacidade
de ver sem usar os olhos. E a paixão
por uns sambas antigos,
partido alto e dona Ivone Lara.

A minha avó era alta. Seus cabelos,
muito lisos e compridos,
envolviam a cintura.
Eram penteados com cuidado
todas as tardes, e presos em um coque.

Os seus vestidos, de tecido barato,
quase cobriam os pés. A minha avó
contava histórias de assombrar,
ensinava a amar certas canções
e fazia predições todo fim de ano.

Eu fugia com medo do futuro
e me escondia no quarto.
O presente me bastava,
com seus fantasmas,
e as notícias do mundo no Fantástico.

A minha avó gostava de beber aperitivo,
de mascar fumo e de me ouvir cantar
a música de um português chamado Hermes Aquino.
Poucos se lembram dele.
Poucos se lembram dela.
Poucos se lembrarão de mim.

A minha avó era cega.
Dela, herdei a capacidade de ver sem usar os olhos.

Hoje, sei lá, deu vontade de lembrar esse poema, escrito para minha avó Alice.

Anúncios