Beatitude

Como quem vive na quietude,
deixando que o tumulto passe.
E acompanha a turba,
disfarçado de padre, ou guarda
a placa de protesto sob a burca.

Como quem morre na quietude,
deixando que os anjos voem.
E desaba sobre os joelhos,
engolindo a juventude, ou vomita
diante de todos na última noite.

Como quem sabe: “Ah, é inútil
insistir no erro”. E grita, sem nome.

Anúncios

2 comentários Adicione o seu

  1. Ari Coelho disse:

    Katinha,

    Ocê tá mió?

  2. Nossa! Acabei de ler o poema Beatitude, de Goulart Gomes. Entrei aqui e o que vi? O mesmo título! Isto me dá uma vontade de colocar os poemas juntos…lá no meu blog. Bjs

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s