À sombra de Iroco

O ciclo ainda está aberto, e nele eu danço
com a alma inteira e o corpo a descoberto,
esparramado na poeira do borralho. Inteira
danço.

Um dia estaremos todos à mesa,
como numa reunião de família ou num retrato,
e entranharemos nossos rostos nessa estranheza
de pertencimento.
Os que vieram primeiro já observam nossos passos,
e entre vivos e mortos há um só rastro
(por onde seguem todos,
queiram ou não queiram).
Nada peço ao Tempo, deixo que os ponteiros corram,
enquanto ergo um templo, carregando pedras,
plantando flores, cimentando tijolos,
erguendo em mim, em meu próprio corpo,
a cerca branca de uma existência.
Anúncios

4 comentários Adicione o seu

  1. aeronauta disse:

    Grande poema, Kátia, me deixou emocionada…

  2. Martha disse:

    Muito bonito, Kátia.
    E eu que peço tanto tempo ao Tempo, acho lindas as suas palavras.

  3. Como numa reunião de família, ou num antigo retrato sobre a mesa, estranharemos sempre esta existência.

  4. blag disse:

    Que bonito pensar que você inteira dança. Belo, belo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s