Eu sei que poderia amar esse menino insolente
que comenta sobre mim sorrindo,
mas cujos olhos fisgo sempre. Esse menino
ainda tem muito a aprender sobre lirismo
e laticínios, muito a dar, muito a comer…
Eu sei que poderia amar esse menino,
e colocar-lhe uma aliança de ouro no anular
e me deitar com ele, ter um filho,
e fugir noite alta com a sua irmã.
Mas apenas deixo que ele vá, que passe, suma,
dobrando esquinas, recriando ruas,
e leve embora a alma em desalinho
e o tal destino, e as pedras de runa.

Nem paciência para ensinar-lhe, tenho,
que amizade é muito mais do que amor.
E o que ele amarga – toda vez que tenta me tirar a calma –
é esse franzir de cenho que lhe dou.

Anúncios