Pois o belo nada mais é do que o começo do terrível que ainda suportamos; e o admiramos porque, sereno, desdenha destruir-nos. Todo anjo é terrível.
(Rainer Maria Rilke, a primeira das Elegias de Duíno)
Anúncios