junho 2007


Acesse http://dehvipper.wordpress.com/2007/06/25/elwood-e-o-cachorro-mais-feio-do-mundo/ e saiba mais sobre Elwood.

Tenho lido e lido e lido “As Elegias de Duíno” e os “Sonetos de Orpheu”. A ponto de sentir falta deles na rua. Mais uma vez, a leitura me resgata da dor. Feliz, ou infelizmente, é nela que tenho me encontrado ainda a mesma menina que sonha com coisas. Me abrigado seria melhor, já que olho o céu azul e só vejo bombas caindo. Fora dela, da leitura, os dias cinzas de sempre, a confusão dos vôos, a violência estampada nos jornais, covarde, banal, inaceitável. E as vozes das pessoas. Dentro dela, a amplidão, o espaço aberto de quem indaga aos anjos, sem a pretensão de ser ouvido. Pior na guerra, dizem os cínicos. E eu rio. Tenho rido cada vez mais sem saber sequer de que sentido. Só para encerrar a conversa depressa e esconder a bunda nua, os seios nus, como nos sonhos em que se está em lugares públicos sem roupas. “As Elegias de Duíno” me conquistaram justo quando sinto me faltarem as forças. Grandiosas, elas acenam com asas sobre o abismo: Aqui há coisas ainda a serem conquistadas. O mesmo sonho, terrível como um anjo, e divino. E, nos “Sonetos”, o mesmo animal sem nome, que, amado, ganha uma forma visível.

Partiu um navio ainda há pouco
deste porto. Que é meu coração,
demasiado lusitano?
Quem dera o mar,
o amar, sem horizontes,
o atravessar eternamente,
para outro onde,
até perder-se na calmaria do nada há.
Partir, quem sabe, seja encontrar-se.

Pois o belo nada mais é do que o começo do terrível que ainda suportamos; e o admiramos porque, sereno, desdenha destruir-nos. Todo anjo é terrível.
(Rainer Maria Rilke, a primeira das Elegias de Duíno)

Minha avó materna era uma santa de olhos azuis,
numa fazenda chamada Santa Luzia, que posseiros
invadiram e virou uma vila, no meio do Sertão.
Tenho dois avôs que morreram cegos. Daí meu medo do escuro
e meus cuidados com meus olhos. Do avô paterno
herdei o gosto pela cozinha e o jeito discreto. Ele
nem imagina que virou nome de uma vila de casas
na Cidade Baixa. Da avó paterna, meio índia, tantas coisas,
a paixão por ouvir e contar histórias, a mania de cantar
o dia inteiro. Do avô materno, o instinto festeiro,
minha mãe sempre lembra as festas de São João
na fazenda, com porcos e bois mortos, inteiros,
e a vizinhança enchendo o terreiro ao som da sanfona.
E de Donana, não sei o que tenho. Minha mãe só diz
que ela era calma e silenciosa, resignada com a vida,
e a imagino, ainda, como a incorporação da minha Nossa Senhora.

Você é meu grande engano, pensei enquanto sorria, assegurando a ela que a febre é mais reação que abandono, e nos amamos tanto e, no fim das contas, pouco importa: Toda doença é só sintoma. Brigamos, enquanto imaginava dizer: Ah, meu amor, meu amorzinho, como posso querer perfeição maior? Mas saí batendo a porta e fui pro frio de uma rua repleta de vidraças. É São João, há fogos no céu, e o erro é meu, que só penso no poema de Bandeira. E nos meus, que silenciosamente, dormem nos porões da memória. Não há um I Ching disponível agora, só me resta relembrar, hexagrama por hexagrama, uma vida inteira. Volta enquanto pode, enquanto há chama, recompondo a beleza das fogueiras de Beltane.Volta, inda que sombria, pois só há bruxas ensolaradas nos romances. E, cada amor, cada amor, meu amorzinho, se rende a um milhão de expectativas. Você é meu grande engano, meu grande engano, pensei enquanto sorria, e aquela certeza ardia e ia aquecendo tudo em volta.

Foi Vinicius quem disse: o uísque é o cachorro engarrafado. Sim, o melhor amigo do homem. Eu ainda prefiro meu poodle mestiço, quentinho e bobo, a espreitar meus movimentos, a qualquer 12 anos com gelo. Meu cachorro custou 120 reais num pet shop. Eu o comprei pouco depois da morte do meu pai, em 2002, quando me senti meio cão sem dono. Minha sobrinha, uma Oprah Winfrey de 10 anos, me convenceu a levar Billy pra casa. Billy Negão, como na música do Barão Vermelho. Era pequeno, microtoy, me disse a moça da loja, e legítimo. “Pode passar pra pegar o pedigree dentro de duas semanas”. Nas primeiras vacinas, descobri que meu fofucho é um pé duro, já que seus pais são de raças diferentes. Só entendi o que isso significava quando vi o tamanho que ele ficou. Enorme! O veterinário, indignado, me estimulou a processar a loja. “Só tem um problema”, ele disse, “Você terá que deixar seu dog lá e aceitar a restituição da grana ou um animal de raça pura”. Normalmente, devo confessar, não levo desaforo pra casa. Mas trocar meu uísque peludo e adoravelmente chato por qualquer coisa era, e continua sendo, uma missão impossível. O papo furado vai bem, enquanto a poesia deve andar lá pelas bandas de Cruz das Almas, arriscando a pele na guerra de espadas ao lado do licor, seu amigo caipira engarrafado.

Próxima Página »